Banner

Aquelas manchinhas indesejadas na pele costumam incomodar muitas pessoas. Entretanto, é necessário identificar o que são essas manchas para que seja aplicado o tratamento certo. Por isso, é preciso conferir se é sarda branca ou vitiligo — e somente um profissional capacitado pode responder essa questão.

As duas condições são parecidas e podem confundir, já que ambas apresentam manchas brancas na pele. Isso acontece porque conhecemos mais as sardas escuras, mas também existem as mais claras. Então, quem não ainda não sabe da existência desse tipo de sarda tende a pensar que se trata de vitiligo.

Para que você não confunda mais, acompanhe este post para entender as diferenças entre as sardas brancas e o vitiligo.

O que são as sardas brancas?

Popularmente conhecidas como sardas brancas, essa condição costuma aparecer pelo corpo. Apesar do nome popular, na verdade ela é chamada de leucodermia gutata. Por mais que sejam assintomáticas, as manchinhas brancas que surgem na pele são lesões geradas pela exposição solar excessiva.

As sardas brancas não doem, não coçam e são benignas. Ou seja, não apresentam risco algum à saúde, mas podem deixar a pele com um aspecto envelhecido. As manchinhas pigmentadas deixam a pele com um tom que não é uniforme. Dessa forma, a aparência pode gerar insatisfação para quem as tem.

A condição costuma aparecer mais em pessoas acima dos 40 anos. Devido à exposição ao sol sem proteção, as células responsáveis pela produção de melanina podem parar de funcionar. Com isso, surgem as manchinhas esbranquiçadas, conhecidas como sardas brancas.

O que é vitiligo?

Ao contrário das sardas brancas, que são apenas uma condição provocada pelo excesso de sol, o vitiligo é uma doença autoimune. As manchas brancas podem aparecer por todo o corpo e costumam ser mais extensas que as apresentadas pela leucodermia gutata. 

O vitiligo é uma doença crônica que atinge cerca de 2% da população mundial. Ela ocorre pela destruição dos melanócitos, que podem ter origem genética, imunológica ou até mesmo por traumas locais. Em alguns casos, as manchas podem causar ardor, coceira e sensibilidade no local. 

A doença é classificada em segmentar, quando aparece de forma linear e em apenas uma parte do corpo (aparece mais durante a infância e adolescência), ou não-segmentar, que são manchas que surgem de maneira assimétrica e sem padrão. O vitiligo não tem cura, mas pode ser controlado.

Quais as diferenças entre sardas brancas e vitiligo?

Dependendo do caso, as diferenças entre sardas brancas e vitiligo podem ser sutis. Então, confira um pouco mais sobre as características delas para identificá-las com mais facilidade. 

Sardas brancas são menores

O aspecto das sardas brancas pode ser bem similar ao do vitiligo. Porém, as sardas são menores e têm, em média, entre 2 e 5mm de circunferência. Além disso, as sardas brancas acometem principalmente as áreas do corpo que ficam mais expostas. 

Portanto, é comum que elas surjam nas pernas e braços — nas mulheres, também podem aparecer no colo. Como estão relacionadas à exposição solar, elas aparecem nas partes do corpo que ficam mais desprotegidas. Nesse sentido, o uso de filtro solar é indispensável, bem como a hidratação adequada da pele. 

Vitiligo são manchas brancas na pele

Diferentemente das sardas brancas, o vitiligo pode ter manchas bem extensas em todo o corpo, inclusive no rosto. Dessa forma, as sardas brancas são pontuais e ficam espalhadas como pintinhas, enquanto o vitiligo pode se apresentar em espaços maiores.

Como tratar as sardas brancas?

Por ser mais um problema estético e não de saúde, as sardas brancas recebem tratamentos que melhoram a aparência. Cada pessoa pode escolher qual procedimento é mais indicado dependendo da quantidade de manchas que tem na pele.

Crioterapia

Esse tratamento é indicado para estimular a pele na produção de melanina, o que faz com que haja uma volta da pigmentação natural. O procedimento consiste na aplicação de temperaturas frias na região, com gelo seco ou nitrogênio líquido. 

Dermopigmentação

Uma das alternativas é a dermopigmentação, em que são injetados pigmentos no mesmo tom da pele da pessoa para camuflar as manchas. Ou seja, é como uma espécie de tatuagem, em que a máquina tem uma ponteira com agulhas. No entanto, no lugar da tinta são aplicados medicamentos como o 5-fluorouracil .

Dessa forma, a máquina emite uma vibração que injeta o medicamento na pele, mas a penetração é superficial. O procedimento é pontual e a medicação é aplicada somente nas sardas brancas. São necessárias cerca de 3 sessões para ter um bom resultado.

MMP ou microagulhamento

Outra opção é a Microinfusão de Medicamentos na Pele (MMP), ou Microagulhamento. Esses procedimentos são feitos para estimular a pele com o uso de microagulhas. Assim, elas penetram na pele e estimulam a formação de novas fibras de colágeno. O microagulhamento é muito indicado para diminuir cicatrizes de acne, fazer o clareamento de manchas e rejuvenescer a pele (reduzir rugas e linhas de expressão).

Com o auxílio das microagulhas, há um estímulo na produção de melanina, e isso faz com que a pele comece a recuperar a pigmentação. Para alguns pacientes, o tratamento pode provocar certo nível de dor, mas são administrados cremes anestésicos durante o procedimento. 

O microagulhamento é uma ótima solução para reduzir a pigmentação esbranquiçada das sardas brancas. Desse modo, é possível devolver à pele o aspecto saudável e com a aparência regular. O procedimento pode ser feito em duas ou três sessões, com intervalos estipulados pelo profissional. Depois, é só fazer a manutenção anual ou semestral, dependendo do caso.

Por mais que as sardas brancas causem um incômodo estético, elas não apresentam perigo algum para a saúde. No entanto, é essencial procurar ajuda profissional para realizar qualquer tipo de procedimento para não agravar ou piorar a aparência das manchas. Nesse sentido, busque por clínicas especializadas e com pessoas capacitadas.

As sardas brancas não têm uma aparência muito agradável e podem fazer com que você aparente ter uma idade mais avançada. Portanto, tratá-las é um meio de recuperar a autoestima e ainda ter uma pele mais bonita, luminosa e viçosa.

Para mais dicas e novidades, acompanhe a GIOlaser nas redes sociais e fique por dentro de tudo. Estamos no Facebook, Instagram e YouTube!


Dicas da GiO

Tipos de tratamento

Teste
Tratamentos Faciais

Indicados para prevenir ou combater consequências do envelhecimento cutâneo como, por exemplo, flacidez, rugas, linhas de expressão e mais...

Teste
Depilação a Laser

Acabe com os pelos indesejáveis pelo corpo inteiro. Mesmo os pelos mais grossos e rebeldes podem ser removidos em apenas algumas sessões.

Teste
Tratamentos Corporais

Não podemos nos esquecer de cuidar da nossa maior e mais importante ferramenta para cumprir as atividades do dia a dia: o nosso corpo.