22 ago 2019

O que é rosácea? Veja as causas, tratamentos e formas de prevenção

337      0

Você sabe o que é rosácea? Mais comum entre as mulheres, muitas vezes ela é confundida com a acne, eczema ou alergias cutâneas. A doença não apresenta riscos à saúde física, mas pode piorar com o tempo e deixar marcas permanentes na pele. Nos casos mais graves, os efeitos podem ser devastadores para a autoestima. Embora não haja cura, se for diagnosticada com precisão e tratada […]

Você sabe o que é rosácea? Mais comum entre as mulheres, muitas vezes ela é confundida com a acne, eczema ou alergias cutâneas.

A doença não apresenta riscos à saúde física, mas pode piorar com o tempo e deixar marcas permanentes na pele. Nos casos mais graves, os efeitos podem ser devastadores para a autoestima.

Embora não haja cura, se for diagnosticada com precisão e tratada adequadamente, é possível aliviar os sintomas e levar uma vida completamente normal. A seguir, você vai entender o que é rosácea, quais são as possíveis causas e tratamentos, e como prevenir a doença. Acompanhe a leitura!

O que é rosácea?

Rosácea é uma doença inflamatória crônica associada a uma alteração vascular. É caracterizada por rubor facial, pápulas e pústulas inflamatórias (erupções), inchaço e vasos sanguíneos visíveis.

Acomete principalmente adultos, sobretudo mulheres com mais de 30 anos, com pele clara e que ficam coradas com facilidade. No geral, ela afeta a região central do rosto: bochechas, queixo, testa e nariz. Em casos raros, pode também se espalhar para as orelhas e olhos. 

O sinal característico da rosácea é o eritema facial persistente: um rubor da pele causado pela vasodilatação capilar. Normalmente, os pacientes experimentam primeiro uma vermelhidão intermitente, que resulta em eritema facial persistente e, às vezes, é seguido pelo surgimento de lesões inflamatórias.

A doença costuma ser confundida com a acne vulgar, fator que representa um risco para quem tem o hábito de se automedicar e fazer tratamentos de pele caseiros.

As principais características clínicas que distinguem as lesões da rosácea da acne vulgar são a presença de rubor e ausência dos comedões. Entretanto, somente um profissional capacitado (dermatologista) é capaz de fazer um diagnóstico adequado e indicar o melhor tratamento.

Quais são os diferentes tipos de rosácea?

Já vimos o que é rosácea. Agora, você sabia que existe mais de um tipo da doença? Sim, ela foi dividida em quatro principais subtipos — algumas pessoas têm mais de um subtipo da doença ao mesmo tempo:

  • rosácea eritemato telangectasia (mais comum);
  • rosácea pápula-pustular;
  • rosácea fimatosa;
  • rosácea ocular.

Quais são os sintomas?

A manifestação da doença pode variar consideravelmente dependendo do subtipo de rosácea, mas, na maioria dos casos, estão presentes os sintomas a seguir.

Rubor

Os episódios de rubor geralmente duram até 5 minutos e podem se espalhar do rosto até o pescoço e o peito. Algumas pessoas relatam ter a sensação desagradável de queimação durante os episódios.

Reatividade excessiva da pele

Os vasos sanguíneos sensíveis se dilatam facilmente diante do toque e de alguns outros estímulos físicos, como a luz solar, ventos fortes e temperaturas extremas.

Vermelhidão persistente

Em alguns casos, os episódios de rubor são seguidos por crises de vermelhidão facial persistente, que podem não desaparecer com o tempo. O sintoma é decorrente da dilatação de centenas de vasos sanguíneos presentes na superfície da pele, que, com frequência, torna-se ressecada.

Pápulas e pústulas

Podem aparecer pequenas manchas, pápulas e pústulas — o sintoma é característico da rosácea pápula-pustular, também conhecida como rosácea inflamatória. 

É comum acontecerem erros no diagnóstico devido à semelhança com a acne vulgar. As principais características que as diferenciam são a ruborização e a ausência de cravos na rosácea.

Vasos sanguíneos inflamados

À medida que os sinais e sintomas da rosácea progridem e pioram, pequenos vasos sanguíneos no nariz e nas bochechas inflamam e tornam-se visíveis (telangiectasia). A aparência é de pequenas teias de aranha, e a pele do rosto tende a ficar manchada.

Espessamento da pele

A rosácea severa (fimatosa) tende a causar o espessamento da pele facial, especialmente ao redor do nariz, que pode se tornar bulboso e aumentado (rinofima). É uma complicação rara e tende a afetar mais os homens do que as mulheres.

Inchaço facial

Excesso de líquido e proteínas extravasam os vasos sanguíneos e sobrecarregam o sistema linfático, que não consegue drenar o vazamento rápido o suficiente. Isso resulta em acúmulo de fluido na pele do rosto.

Ardência ocular

Na rosácea ocular é comum a sensação arenosa e ardente nos olhos — que ficam irritados e vermelhos. O interior da pálpebra tende a ficar inflamado e escamoso. Algumas pessoas não conseguem fazer uso de lentes de contato e, em casos raros, a visão pode se tornar turva.

Quais são as possíveis causas?

Não há dúvidas sobre o que é a rosácea e quais são os principais sintomas. Entretanto, a etiologia da doença ainda é desconhecida. Há suspeitas de que os seguintes fatores contribuem para o aparecimento do quadro:

  • predisposição genética;
  • alterações hormonais e emocionais;
  • estresse;
  • exposição solar;
  • mudanças bruscas de temperatura;
  • abuso de álcool;
  • ingestão de alimentos muito quentes;
  • uso de medicamentos fotossensibilizantes e vasodilatadores.

Quais são as formas de prevenção?

Embora a doença seja crônica, é possível prevenir que o quadro piore. Alguns fatores que podem agravar a rosácea e que devem ser evitados (ou controlados) incluem:

  • alimentos ou bebidas quentes;
  • cafeína;
  • alimentos condimentados, picantes e laticínios;
  • mudanças bruscas de temperatura;
  • exposição solar;
  • vento e umidade excessivos;
  • estresse e ansiedade;
  • banho quente ou sauna;
  • corticosteroides;
  • álcool;
  • hipertensão.

Como é o tratamento?

Infelizmente, não há cura para a rosácea. Entretanto, é possível gerenciar as crises com a diminuição do eritema ,a duração da intensidade do rubor e aliviar a sensação de queimação e a extrema sensibilidade da pele que tanto incomoda as pessoas.

O tratamento é geralmente composto por uma equipe multidisciplinar oferecendo diversos recursos com ações locais e sistêmicas.

Geralmente os medicamentes de ação local utilizados são o acido azelaico, sulfacetamida de sódio, antiparasitários, metronidazol e peróxido de benzoíla. Já nos tratamentos por via oral (sistêmicos) são comuns a tetraciclina, a doxiciclina e a isotretinoína.

Outros recursos são oferecidos nas clínicas de estética especializadas em bem-estar e saúde que somados ao tratamento médico, otimizam os resultados.

Um deles é a drenagem linfática manual proporcionando alívio dos sintomas em momentos de crises com edema e eritema. A técnica também ajuda na prevenção de novos episódios, pois auxilia na remoção das toxinas, melhora o fluxo circulatório e o linfático. O número de sessões dependerá de cada caso e caberá a um profissional capacitado avaliar.

Para melhorar a qualidade da pele os protocolos de hidratação são essenciais. É importante lembrar que os dermocosméticos mais indicados nesses casos são os que contêm princípios ativos calmantes, antiedematosos, antieritematosos, antioxidantes, que melhorem a hidratação da pele e a barreira cutânea e que colaborem para a reposição do manto hidrolipídico.

Vimos o que é rosácea, uma doença crônica cujo principal sintoma é o rubor na região central do rosto. Embora não tenha cura e suas causas ainda sejam desconhecidos, é possível prevenir que o quadro piore e melhorar os sintomas com um tratamento adequado.

Este artigo foi útil para você? O que acha de compartilhá-lo em suas redes sociais e ajudar a levar informação a quem precisa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Agende sua avaliação